"/>

Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019

Ângela Schiezari Garcia

Educadora física; fisioterapeuta; osteopata;
radiestesista genética; microfisioterapia em formação.
Terapeuta de self-healing,leitura biológica, pós-graduada em ginástica postural corretiva,em fisiologia do exercício e em personal training.
Estágios:
* Laboratório do Comportamento Motor da Escola de Educação Física e Esportes da USP.
* Condicionamento Físico e Reabilitação Cardiovascular na Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do INCOR HC – FMUSP.
Escritora, com livro de poesias "A Real Dualidade", publicado em 2007.

Ver todas as colunas

COMO IDENTIFICAR OS DIFERENTES TIPOS DE DOR.



 

As pessoas se acostumam com o padrão de dor ao longo do tempo e o incorporam às atividades da vida diária de forma tão arraigada que não percebem o desconforto, as contraturas musculares, a redução na amplitude dos movimentos e a decadência gradual na qualidade de vida.

Tal fato, essa incorporação, se deve à falta de consciência corporal, pois o cérebro segue a lei do uso e do desuso, desativando o mapeamento de áreas corporais que não são estimuladas ou utilizadas com frequência.

Na prática, observamos a deficiência da percepção sensorial, quando, ao toque do terapeuta, os pacientes se assustam ao serem surpreendidos com técnicas de inibição nos pontos gatilho, altamente dolorosos ou com movimentos em regiões com perda de amplitude articular e fraqueza muscular. Eles afirmam categoricamente que não identificam problemas nessas regiões, em que a dor apresentada chega a ser insuportável e o trabalho terapêutico comprometido.

O espasmo muscular, iniciado por um movimento brusco que ativa o Sistema Nervoso Central, causa isquemia e com a redução do oxigênio pode produzir substâncias como os ácidos, radicais livres e amônia, ativadores de receptores livres e geradores da dor.

O reconhecimento dos tipos de dor pode auxiliar tanto o terapeuta quanto o paciente a identificar e tratar a lesão osteopática, considerada de parâmetro menor. As lesões de parâmetro menor como os espasmos, encurtamentos, compressões, bloqueios articulares podem ser tratadas pelo osteopata.

As lesões de parâmetro maior, como as inflamações, infecções, lesões estruturais (rupturas, alterações congênitas, degenerações, necroses, fraturas) devem ser encaminhadas ao médico.

A manifestação clínica da dor nos tecidos apresenta características próprias, dependendo da região em que foi acometida, a saber:

  1. Dor articular - Considerada pontual, precisa e geralmente centrada sobre a vértebra. Aumenta ao término do movimento, na chegada da barreira óssea.
  2. Dor discal - Dor aguda, que se manifesta quando o corpo se encontra sob pressão da gravidade, geralmente na posição em pé ou sentado. Aumenta nas pressões abdominais ou intra-discais, como por exemplo, na defecação.  
  3. Dor ligamentar – A dor se manifesta na manutenção prolongada de uma posição (sentado, em pé ou deitado) e também no final das amplitudes articulares, após período de latência de 10 minutos até 1 hora. É definida como dor em queimação.
  4. Dor muscular - A dor se manifesta no movimento ou na contração muscular isométrica. É difusa, em repuxe, do tipo isquêmico e apresenta pontos gatilho, com regiões espasmadas à palpação. O músculo torna-se fraco, a resistência e a força ficam reduzidas e apresenta uma barreira elástica.
  5. Dor nervosa – Acomete a raiz nervosa, os nervos raquídeos e periféricos. É uma dor radicular e a pessoa pode indicar seu trajeto com o dedo. Pode aumentar em certos movimentos.
  6. Dor visceral – A dor é constante, não aumenta com movimento e respeita o ciclo circadiano e a função visceral.

 

Após o trabalho de avaliação diagnóstica e da aplicação de testes de mobilidade global e da ausculta osteopática, o terapeuta poderá dispor de inúmeras técnicas, como instrumentos utilizados para o tratamento das disfunções, normalizando os tecidos, restabelecendo a mobilidade e a saúde.

É importante ressaltar que, independentemente do tipo de acometimento, essas técnicas obedecem à lei da não dor.

 

 

Ângela Schiezari Garcia -  CREF 000690-G /SP   -     CREFITO 162573-F

- Educadora física e fisioterapeuta

- Osteopata, terapeuta self-healing, de leitura biológica e radiestesia genética.

- E-mail: angela.garcya@terra.com.br

 

Studio Prátik – Rua Pedro Vaz, 291 – Centro – subida da Aeronáutica

Fone: (11)4784-6289

 

 

 

 










Imóveis em São Roque

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

Além de consumir o serviço de Aluguel de louças para festas.

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

Aluguel de louças para festas Moema, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos é significativa.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.