Quarta-Feira, 18 de Maio de 2022

Thiane Ávila

Estudante de comunicação social, já atuou como professora de Língua Portuguesa e Inglesa. Seu gosto pela escrita foi percebido e trabalhado desde muito cedo, levando-a a, hoje em dia, manter um blog pessoal com postagens regulares de textos autorais.

Ver todas as colunas

Demonstra



Gosto de quem faz barulho em mim. De quem desabotoa, destrincha, escancara. Amo as sutilezas que gritam, a vontade que não controla e a euforia pelo detalhe. Gosto de contar as horas pra ver, de clichês amarrotados e de velhas esperanças no copo de cerveja. Gosto de lembrar histórias, de quem deixa bilhetes e de quem escreve o próprio medo.

Admiro quem chega querendo ficar, mesmo não tendo certeza sobre tudo. Sorrio pra quem desmascara as dúvidas, infla o peito e age como quem ama. Sem poupar com joguetes, sem camuflar o sim em meias medidas e talvezes perdidos em desinteresse enrustido. Gosto de quem pisa no escuro, abre a janela pra entrada do vento forte e ainda coloca o rosto na rua. Quem sente a vibração do sentimento, provando, no tato, o tremor de quem não se intimida por se entregar. Gosto de quem se aprofunda sem saber o fim, contando, em vida, os minutos de permanência.

Procuro dar as mãos a quem aposta na própria descrença, em quem emancipa os defeitos em tentativa de uma nova chance. Não me importo com quem grita meu nome, com quem vence o cansaço apenas pra dizer o que precisa ser dito. Convalesço com as existências que não se amparam em desculpas, que não esperam. Gosto da decisão em forma de poesia, da vontade transfigurada em sonho e do roteiro promovido à ação. Amo as músicas que fazem lembrar, os textos com dedicatória e as situações mais desimportantes recordadas. Romantizadas. Unificadas. Singularizadas.

Gosto de quem tumultua o conforto do comodismo. De quem não tem preguiça em dosar as palavras ou refletir sobre o próprio jeito de dizê-las pelo cuidado em ser fiel o suficiente com os sentimentos. Com a sensibilidade do outro. Gosto da sinceridade gentil, da transparência que reflete e da verdade no olhar de quem não teme em demonstrar. A expressão do que se sente é proporcional à segurança sobre as próprias apostas. Esconder o jogo é esconder a face, o jeito, a possibilidade.

Inventamos problemas aos clichês pra não admitir a relevância do real na história que se romantiza. Na ação que se repete. Abrir o peito é emergir ao personificar o sentimento, adubando, dia a dia, a capacidade de se fazer feliz ao se atirar. Esfacelando-se pela queda ou encontrando o repouso, merecemos a adrenalina de não se poupar. O mal do século é a subjugação da entrega. Entrega-se apenas quem é muito seguro sobre si mesmo.

 

THIANE ÁVILA,












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2022, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.