Quarta-Feira, 18 de Maio de 2022

Thiane Ávila

Estudante de comunicação social, já atuou como professora de Língua Portuguesa e Inglesa. Seu gosto pela escrita foi percebido e trabalhado desde muito cedo, levando-a a, hoje em dia, manter um blog pessoal com postagens regulares de textos autorais.

Ver todas as colunas

Eu simplesmente não sei



De todos os sonhos que tive, os que tenho hoje são os mais tolos e imbecis. É difícil entender um nada que insiste em cutucar a vontade incessante de fazer. Talvez seja uma busca por um vazio não preenchido, ou um preenchimento que existe sem tapar lacunas. 

É engraçado o quanto se precisa procurar o achado. Abraçar o errado. Acariciar o declínio. Trata-se talvez de um masoquismo inerente à felicidade, uma ameaça de lucidez que embreaga a própria sorte frente ao óbvio. A razão, definitivamente, trabalha em descompasso com a impulsividade e a teimosia de tentar. Quem tenta muito não pensa. Comprovado. 

A vontade de querer perto ou de estar perto, mesmo que equivalha a um afago a um cactos ou a um beijo em erva daninha, parece tentador. O pôr à prova tudo o que já se sabe é o antídoto do próprio veneno. Quebrar a cara ou algo mais sério pra que se desconstrua o que precisa ser desconstruído. Dar-se conta, depois da milésima tentativa, que o querer quase nunca basta. 

E a gente corre atrás. Busca a vitalidade em goles alcoólatras de falta de senso e de noção. A presunção importante que nos invade e faz agir sobre um intuito que não se criou ainda, mas que busca em doses homeopáticas o sentido da própria impulsividade. Um paradoxo completamente lógico que nos impele a agir sobre o desconhecido e fazê-lo o amor de nossas vidas. 

Nessa tsunami de inconstâncias e agitação, pego-me a pensar vez que outra sobre merecimento. O meu e o de quem me ofereço. Hoje está estritamente proibido, no meu interior, pensar sobre mérito. O agir sobre o outro, pra ser categórico e de valor, deve respeitar a dinâmica da reciprocidade espontânea. Expectativa zero. Amar em silêncio? Talvez. 

E assim toda a responsabilidade sobre o meu sofrimento recai inteiramente sobre mim. Cada lágrima e queda são somente da minha conta. Não culpo ninguém. Não atribuo nada a outra pessoa senão a mim mesma. Sou, pois, a única capaz de vulnerabilizar minhas próprias emoções. Essa coisa de ser marionete nada mais é do que uma forma de perceber a si mesmo. Entregar-se não é deixar de ser, mas intensificar um sentir que, sozinho, não é possível que exista. 

 

THIANE ÁVILA.












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2022, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.