Quarta-Feira, 18 de Maio de 2022

Pedro Fagundes de Borba

Estudo ciências sociais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos; escrevo para portais; me chamo Pedro Fagundes Borba.

Ver todas as colunas

Getulismos



     Getúlio Vargas é um dos mais complexos e melhores governantes do Brasil. Falo assim, de maneira tão direta porque não tenho outra forma de falar sobre isto. Por sua complexidade enquanto figura política, e principalmente pelas maneiras como conduziu o governo num país tão complexo e contraditório quanto o Brasil, o considero uma das grandes figuras políticas do século XX, e talvez da humanidade. Por isso, e pelos avanços sociais que trouxe, o vejo como alguém difícil, por suas formas e maneiras autoritárias de condução, ainda que estivesse num país e em oposição a grupos não menos autoritários.

     Ao final da república oligárquica, as alianças entre São Paulo e Minas Gerais se gastaram. Principalmente quando São Paulo trai Minas, pegando mais café após a crise de 29. Os mineiros então se aliam a aliança liberal dos gaúchos e paraibanos. Com as trapaças de Washington Luís acontecendo, os gaúchos vão até o Rio de Janeiro, amarram seus cavalos no obelisco, então um dos símbolos da cidade, e foram ao palácio. Getúlio, antes, conseguira se articular, assumindo o poder e iniciando a revolução de 30. Ficaria entre 1930 e 1945 no poder, na era Vargas.

      Algumas das principais políticas de Getúlio foram feitas neste período, e que constituíram uma das bases sobre as quais os getulistas tanto falam a respeito. Destacam-se o voto feminino e as leis trabalhistas, as últimas essencialmente vindas de demandas sociais que exigiam mais direitos e podiam ir para grupos ou partidos comunistas, caso o governo não atendesse de alguma forma estas demandas. Com isto, firmou sua base entre mulheres e trabalhadores, parcelas numerosas da população.

       Entre 1930 e 1937, manteve-se no poder através de diversos recursos e formas, sempre autoritário. Os comunistas o viam como alguém que não era comunista, por não fazer medidas comunistas, apenas populismo com as massas e direitos. E estava certo, Getúlio sendo abertamente contra o comunismo. Por causa disto, um pouco pelas próprias características do poder, foi fazendo uma série de jogadas políticas, uma de suas principais marcas enquanto líder, possibilitando surgir algumas pautas que terminaram agradando comunistas, principalmente ascensão de direitos trabalhistas.

        Apegado ao poder, de maneira ditatorial, Vargas cria ambiente instável, com a legalização do partido comunista e da frente integralista, para se colocar como a via moderada e se perpetrar no poder. Também forjou o plano Cohen, documento supostamente escrito pela internacional comunista que dizia estarem planejando um golpe socialista no Brasil. Na verdade escrito por um integralista, sob comandos de Vargas, foi usado para criar a tensão final, propiciando o golpe. Durante o período do estado novo, que coincide em grande parte, com a segunda guerra mundial, muitos dos direitos e normas estabelecidas após a revolução de 30 foram mantidos, mas o governo tinha viés fortemente autoritário então, repreendendo uma série de liberdades.

        Tirado da presidência do Brasil em 1945, por causa das derrotas do nazismo e fascismo pelo mundo, Getúlio Vargas anuncia que voltaria, e nos braços do povo. Na época, tem-se até o movimento queremista, que defendia que Getúlio continuasse ocupando o catete, por seus feitos e sua adesão popular. Ganhou o nome porque queria Getúlio. Com novas eleições, vários candidatos vão, incluindo um apoiado pelo deposto, o marechal Eurico Gaspar Dutra. Com o apoio, este vence se tornando presidente, enquanto Vargas assume vaga no senado.

   Em 1950, Getúlio Vargas concorre à presidente, agora civil e democraticamente, e é eleito. Tem seu período mais nacionalista, criando, entre outras coisas a Petrobras, mas também com uma série de problemas que culminarão em seu suicídio, em 1954. Em boa parte, teve forte oposição nacional, incluindo o corvo Carlos Lacerda, jornalista e um de seus principais opositores.

    Com todas as medidas políticas que fez Vargas, além de se consolidar como uma importante figura na história brasileira, também trouxe vários processos e atos políticos que modernizaram, melhorou o Brasil. Os mais notáveis certamente são os direitos trabalhistas, consolidados na CLT, e o voto feminino, que trouxeram ao país importantes avanços em suas estruturas. Além de mudanças feitas, pode-se observar a revolução de 1930 como fenômenos político, a qual rompe com a estrutura oligárquica São Paulo-Minas Gerais, que governavam o Brasil desde o fim da república de espadas. Isto significou uma nova política nacional, pois o governo ficava mais próximo do povo, as medidas e políticas sendo mais benéficas para a população.

    A partir de toda a questão política, e as medidas do estado, especialmente em um país de problemas, condições e realidades tão contraditórias quanto o Brasil, fica-se muito difícil encontrar uma solução ou algum governo que efetivamente consiga ser útil e que conduza a governança de maneira que faça as questões populares, ou alguma resposta para problemas sociais, aconteça. Getúlio foi alguém respondente a estas questões, assim como os sucessores João Goulart e Leonel Brizola, os quais conseguiram mesmo aprimorar muitas ideias getulistas. Através das políticas de aumentar direitos, dar votos as mulheres e uma série de projetos nacionalistas, que levaram ao desenvolvimento e aprimoramento da nação. Destaca-se neles a fundação da Petrobras, em seu último mandato, que conseguiu, por muito tempo, ser grande fonte para o Brasil, ainda é, mas está enfraquecida.

     Em relação ao getulismo, finalmente, faz-se necessário destacá-lo como algo que se inspira nas posturas, políticas e ideologias promulgadas por Vargas em seus governos, isto é, na maneira como conduziu e respondeu a uma série de contextos políticos, conseguindo trazer grandes avanços e benefícios. Através da criação das bases populares, com solidez não por populismo, mas sim por necessidades sociais, manteve-se no poder e conquistou forte adesão do povo, garantindo boas políticas públicas e estruturas sociais capazes de melhorar as condições de vida em quase todos os aspectos.

      O getulismo, mesmo sendo algo muito mais a direita, principalmente por ser abertamente anticomunista, tornou-se uma grande inspiração para grupos e movimentos de esquerda, por causa de sua capacidade de entender e responder a movimentos e causas sociais. Uma das grandes razões para o tamanho e poder do getulismo é justamente a atenção que dá às relações da sociedade e como pode agir dentro destes contextos. Fornecendo direitos trabalhistas para enfraquecer partidos comunistas e anarquistas, atendeu uma demanda social que fortalecia e dava espaço para os partidos, o marxismo e o anarquismo, principalmente o de Bakunin. Como conseguia trazer demandas sociais assim, levou a uma forte elevação de vários processos.

  Foi o maior estadista que o Brasil já teve. Seus vários defeitos não podem derrubar as condutas governamentais e a importância dos processos que fez para modernização do Brasil. Num país tão grande e contraditório quanto, alguém capaz de gerir e coordenar medidas de estado são fundamentais. Nenhum outro político brasileiro soube conduzir assim como Getúlio Dorneles Vargas. Os getulismos posteriores precisam entender sua função, suas posturas e buscar extrair o melhor da realidade para modernização e associações do estado brasileiro.                    












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2022, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.