Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019

Ozeni Ramos

Ozeni Ramos é Psicóloga, com ampla vivência na área da Saúde Mental.

Atendimentos Psicológicos em Jundiaí.

E-mail: oznramos@gmail.com

Ver todas as colunas

Hábitos Tóxicos 2



Cadê o seu Poder?

 

Como é a qualidade de energia (ânimo, afeto, humor) atenção e estima que você disponibiliza para as pessoas que estão ao seu redor?

E você, recebe esses elementos das pessoas que estão ao seu lado?       

Essas duas situações estão equilibradas em sua vida?

Ou, é mais ou menos como uma balança: de um lado tem peso e do outro não tem nada!

A palavra poder segundo o dicionário, pode dar a ideia de permissão, possibilidade, autoridade, força, posse, soberania, ou influência para realizar algo.

A pergunta é onde você coloca o seu “poder” como é a intenção do que você disponibiliza para o ambiente e pessoas, faz as coisas com prazer e entusiasmo, ou não?

E relevante perguntar com esses termos, pois, as pessoas esquecem que essas questões são manipuladas apenas por elas, e não pelos outros...

Esperar que terceiros ofertem a  permissão e poder para que você possa existir e se expressar é como viver em uma prisão.

O papel dos outros indivíduos em nossa vida é bem claro o de troca, do vivenciar, do somar, do agregar, do auxiliar quando necessário, do doar...

Mas, que fique claro que em sua grande maioria esse papel deve ser recíproco, pois, é uma necessidade humana estar e sentir que pertence a algo, de expressar sentimentos (a exceção a essa regra é dos pais que cuidam de seus filhos até o momento em que os filhos se tornem responsáveis por si).

O oposto a essa situação acarreta todos os problemas de relacionamentos (de todos os tipos) que conhecemos por aí...

Avalie que as situações que foram citadas possuem uma relação direta com a palavra (poder) simplesmente por demonstrar que se a sua “balança” esta em desequilíbrio significa que o “poder” dentro de ti também está.  

Isto é, você não tem controle dos seus sentimentos e nem é capaz de obter qualquer manifestação espontânea de sentimentos e sensações de terceiros.

Sentimentos retratam todos os tipos de sensações e impressões que ocorrem nos variados contextos de inter-relações que vivenciamos.

Mas, qual o motivo de nossa “balança” ficar desequilibrada, o primeiro fator tem a ver com o temperamento do individuo, dois exemplos básicos (mas, não são os únicos) o fator introversão e o fator extroversão.

Introversão: energia psíquica (todo o conjunto de sensações, sentimentos e pensamentos) fica interiorizada na pessoa, ela expressa apenas uma pequena parcela dessa energia, a maior parte fica com ela.

Extroversão: grande parte da energia psíquica do individuo é “dissolvida” no ambiente em que ele se encontra, a outra parte fica escondida para ele mesmo, existe quase um “receio” em expor para si todos os conteúdos que estão em sua consciência.

Acredito que ficou claro que por vezes indivíduos introvertidos doam menos do que recebem, e indivíduos extrovertidos doam mais do que recebem, claro que isso não é regra absoluta, pois, em analises profundas são avaliados inúmeros aspectos.

O segundo fator que desequilibra seu “poder” e a falta de foco no momento presente, isso gera dispersão, que pode vir de inúmeras variáveis, alguns exemplos: pensamentos repetitivos, preocupação, angústia, medo, confusão mental, uso excessivo de aparelhos eletrônicos e mídias sociais, vícios em geral, falta de atividades regeneradoras, cansaço físico e mental...

Outro sério fator que envolve a perca de “poder” tem a ver com um inimigo silencioso, e considerado inofensivo, conhecido como preguiça, apatia, comodismo, essa questão é bem ampla, mas, basta compreender que muitas vezes o comodismo, preguiça e prostração geram algo muito mais grave: a frustração.

Parece simples entender que apenas três itens (existem outros, citei apenas três para ilustrar) tão inocentes aos olhos do nosso cotidiano se tornem tão nocivos a médio e longo prazo para todas as nossas relações.

Indivíduos sem foco, sem afetividade, e sem ânimo, não atingem objetivos de uma forma natural (tudo se torna maçante) não conseguem obter nem oferecem uma real afetuosidade para as pessoas que estão ao seu redor.

Tornam-se pessoas incompletas, ou seja, sentem falta de algo que não sabem ao certo o que é, e infelizmente isso reflete em conflitos de relacionamentos que elas possuem, seja no campo social, profissional, afetivo, familiar, o próprio individuo não reconhece o que quer, não reconhece seus sentimentos.

Depois de conseguir visualizar esses conflitos no seu dia a dia, você pode solucionar a questão, mas, se essas questões se tornaram tão amplas a ponto de gerar perda de controle e profunda angústia é necessário buscar apoio profissional.

Caso contrario, apenas com a percepção da situação já é possível elaborar outras formas de agir, de pensar e de sentir, e assim criar mudanças benéficas em sua rotina.

 

   










Imóveis em São Roque

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

Além de consumir o serviço de Aluguel de louças para festas.

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

Aluguel de louças para festas Moema, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos é significativa.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.