Quarta-Feira, 18 de Maio de 2022

Thiane Ávila

Estudante de comunicação social, já atuou como professora de Língua Portuguesa e Inglesa. Seu gosto pela escrita foi percebido e trabalhado desde muito cedo, levando-a a, hoje em dia, manter um blog pessoal com postagens regulares de textos autorais.

Ver todas as colunas

Sem inspiração



A maior parte dos momentos são da maior injustiça com as horas. O tempo de planejar e de sentir o gosto precoce do que ainda nem se concretizou e que, quem sabe, nunca venha a se concretizar. Narrar o presente já é narrar o passado. A relutância por permanecer é esse mesmo Deja Vú que estou tendo agora ao escrever essas palavras. A sensação de que já sabia que escrevia essas próximas que ainda não escrevi, mas que agora, no caso, já estão escritas.

Meu paradoxo astral é o mesmo que reluz durante o dia a escuridão de uma ideia sem base. De uma letra sem combinação. O vazio de ficar à margem é mais triste do que estar longe daquilo que se pode ver, mas que não se pode alcançar. Saber da incapacidade é lutar de mãos atadas com a vontade de poder. Com o turbilhão que fervilha a mente em uma maré de querer que nunca sabe a hora de parar. Não estou inspirada, mas ainda assim escrevo.

A minha contradição é a verdade que eu não sei dizer. Quando quero com muita força, o boicote surge porque faz parte do outro extremo. É que quando se puxa demais um lado da corda, o outro, inevitavelmente, vem junto. Os extremos jamais se desvencilham. A proximidade de um acarreta, necessariamente, a do outro também. Involuntários os lampejos de sensatez frente a um frenesi de catarses ambulantes. Que sabotem, um dia, a sanidade que caminha na frente do fazer. Quando o tempo passa sem passarmos por ele é porque essas duas coisas pegaram intimidade demais. Fazer combina simplesmente com sentir.

Na minha racionalidade frustrada, contemplo as minhas sensações como quem pensa sobre o cheiro que sente, procurando ouvir o que ele tem a dizer. Sentir o gosto que as próprias palavras e sentimentos podem demonstrar em uma simples ameaça de som. Sentimos da forma como estamos preparados para sentir. Sempre fui sinestesia. O organizado do toque me assusta. Se planejo amar, não amo.

Meu principal defeito talvez seja essa falta de inspiração que favorece o desmanche. Derreto nas palavras como o sólido que vira líquido. A superfície de contato expandida não me auxilia no contraste dos sonhos, tampouco na mansidão dos atos. Quando o querer fusiona, sou eu quem desperto da letargia por trás da concha. Vivo ensimesmada com qualquer coisa semelhança a uma autodefesa que só existe na minha cabeça. Ao todo, minha soma é incompleta. A frustração é não explicar ou não entender? Ou então entender de menos para não precisar explicar demais. Qualquer um passa por pensar. Já disse que não estou inspirada.

 

THIANE ÁVILA.












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2022, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.