Quarta-Feira, 18 de Maio de 2022

Thiane Ávila

Estudante de comunicação social, já atuou como professora de Língua Portuguesa e Inglesa. Seu gosto pela escrita foi percebido e trabalhado desde muito cedo, levando-a a, hoje em dia, manter um blog pessoal com postagens regulares de textos autorais.

Ver todas as colunas

Vida diátese



Se parar pra pensar, os dias são tendências ao desgaste. Empurrões pras tentativas incertas sobre o que nem se sabe. Não se vê e, não poucas as vezes, não se sente. Comandos involuntários de uma força secular e paralela aos instintos. Produtora de sentido e afanadora de significados. Pelas ruas, observamos os olhares como quem busca por respostas antes das perguntas. Toda e qualquer ansiedade reside na deficiência de perguntar - ou na prepotência de querer responder.

Ontem, andando por debaixo do céu escuro, vi iluminar na fronte o derrame do fim.  As circunstâncias apaziguam, por certo, as tenras horas de adeus, mas dão corpo às adaptações e propensões a se desenvolverem. Tiro do rosto a máscara da espera e liquido de vez as indagações sobre o que só devaneia a vida. A diátese é um entendimento que se tem como certeza - produz predisposição ao doente. A sociedade doente é viral à medida que adoecemos pelas perspectivas. Pelas barreiras. Pelas beiradas.

O melhor de viver talvez esteja na ambição pelos segundos e nada mais. Dando as mãos ao vento e compreendendo a ligeireza dos anos em contraposição à vagarosidade dos dias, é possível se dar conta da arrogância dos planos. A vontade que manipula é o carro-chefe de uma civilização doente. Cancrosa. Inconscientemente suscetível às mortes em nascimento - os papéis de invertem e as inversões se organizam. Eis o caos. O recomeço. A diátese.

Ser um balão de emoções em um mundo de alfinetes é a ansiedade programada pra não deixar nunca de ser. O medo de tudo para com tudo e com todos assemelha-se ao hipocondríaco das sensações. Evita-se. Ignora-se. Não se dispõe. Não se trata de enterrar as certezas e abrir mão dos próprios erros, mas conservar a dignidade de poder viver sem frustrar-se pelo desmanche. Sem querer se afastar da dor. A fronteira, pois, entre o merecido e o conquistado está apenas no caminho que se escolhe. O câncer social está em só conquistar.

Na minha janela, pude vislumbrar o requinte que a simplicidade tem quando anda sintonizada com os sorrisos. A diátese dessa vida é a propensão à morte natural. Sepulcral. Quis, por muitas vezes, doar os sentimentos pra poupar o soluço e a agonia que a impotência do amor vez que outra impõe. É admitir uma importância que se transforma em extensão. É arriscado, dói e, não raramente, consome. Rói os órgãos como um parasita incorruptível. Irrevogável. A vida diátese, pois.

 

THIANE ÁVILA.












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2022, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.