Sábado, 19 de Junho de 2021

5/1/2009 - São Roque - SP

Bebê é dado como morto em SP, fica 4 horas sozinho e sobrevive




Uma bebê prematura foi dada como morta durante o parto, na última sexta-feira (3), e, depois de passar quatro horas sozinha na sala cirúrgica, foi vista se mexendo por uma faxineira que a recolheria com o lixo hospitalar. A família tinha registrado o óbito quando soube que ela estava viva. O parto ocorreu às 18h25, e a criança foi achada pela funcionária às 22h30.

O Hospital Estadual Leonor Mendes de Barros, no Belém (zona leste), abriu sindicância para apurar o caso.

Segundo a mãe da menina, a dona-de-casa Renata Alves de Oliveira, 32, os médicos não acreditaram na primeira vez em que a faxineira alertou sobre a bebê. Foi preciso que ela os chamasse novamente para que prestassem socorro.

Em caso de natimortos com até 500 gramas, o feto é descartado com o lixo hospitalar. Só que a menina prematura nasceu com 725 gramas, de acordo com seus pais. A criança, que recebeu o nome de Giovana Vida Góes, nasceu quando a mãe estava com seis meses de gestação.

Na sexta, Renata começou a ter dores e os médicos informaram que ela estava entrando em trabalho de parto. A mãe conta que os médicos optaram por não fazer uma cesárea porque avaliariam que não havia chances para o bebê.
Durante o parto, primeiro apareceram as pernas, e a cabeça ficou presa. "Cheguei a senti-la e também achei que estivesse morta", conta a mãe.
Renata diz o fato de a filha estar viva é um "milagre", mas fala que, se houve falha, o responsável deve ser punido.

O pai da bebê, o motorista Alexandre Góes, 32, que havia registrado a morte, voltou à polícia. Desta vez para dizer que a filha estava viva. O bebê está em estado gravíssimo.

Outro lado
A Secretaria de Estado da Saúde afirmou ontem que o Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros abriu sindicância interna para apurar o caso. A investigação deve ser concluída em até 45 dias, segundo a secretaria.
Segundo a pasta, o caso será informado nesta semana ao Cremesp (Conselho Regional de Medicina), a quem cabe cassar ou não o registro do profissional.
A pasta não informou o nome do médico e se ele continua a trabalhar nem se manifestou sobre as acusações da família de que um funcionário teria dito que a gestante tinha outros três filhos e por isso não haveria problema se o bebê morresse. Procurada pela reportagem, a direção do hospital não foi localizada para comentar o assunto.

Fonte: Folha Online



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Guia São Roque.


Enviar esta notícia por email



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2021, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.