Sexta-Feira, 26 de Fevereiro de 2021

19/8/2009 - São Roque - SP

Mairinque não tem psiquiatras para atender pelo SUS




da Redação

O momento de felicidade na cidade de Mairinque pela inauguração da APAE Mairinque no próximo sábado, dia 22, contratasta com a triste situação encontrada por aqueles que precisam de psiquiatra pelo SUS.

Confira artigo da vereadora Déia, do PT, postado no site oficial da Câmara de Mairinque, sobre a situação:

MAIRINQUE SEM PSIQUIATRAS  PARA ATENDER SUS

É uma situação que se aproxima do caos, pois com a saída do único psiquiatra da rede básica de saúde  é grande a  preocupação do pacientes, familiares e profissionais  que há semanas aguardam solução.

Desde novembro do ano passado no Conselho Municipal da Saúde essa precariedade é denunciada e nenhuma  melhora se  observou .

Mairinque ainda não tem Centros de Atendimento Psicossocial como os que existem nas cidades de São Roque, Votorantim, Sorocaba.

 A saúde é um  direito também das pessoas com sofrimento mental .

O Ministério da Saúde vem aumentando os tipos de serviços e dispositivos de Atenção à Saúde Mental no Brasil, além de disponibilizar recursos mensais e incentivos financeiros aos municípios para a implantação desses serviços e, coerentemente,seguindo a linha proposta pela Reforma Psiquiátrica brasileira.

A partir de 2003, primeiro ano da gestão Lula, tem se intensificado esta Política Nacional que propõe a criação de serviços para organizar a rede de Saúde Mental com base territorial e comunitária, substitutiva aos hospitais psiquiátricos, em conjunto com a rede de Atenção Primária de Saúde – Unidades Básicas, Programa de Saúde da Família.

Através dos CAPS – Centros de Atenção Psicossocial, NASF – Núcleos de Apoio à Saúde da Família, SRT – Serviços Residenciais Terapêuticos, Leitos em Hospitais Gerais, ASM – Ambulatórios de Saúde Mental e Programa de Volta para Casa, pode-se verificar a mudança do eixo de atenção à Saúde de pessoas portadoras de sofrimento mental, antes voltado quase que exclusivamente às internações psiquiátricas.

Este eixo de atenção à Saúde Mental, que não é nenhuma novidade no campo teórico do SUS – Sistema Único de Saúde e da Reforma Sanitária, preconiza uma rede organizada junto aos serviços de atenção primária de Saúde, intersetorializada com a Educação, Cultura, Assistência Social, Trabalho, entre outras áreas públicas.

Desta forma, hoje é impossível atender Saúde Mental isolada de toda a comunidade, apenas dentro de consultórios, sem nenhuma interface com tudo o que diz respeito direta ou indiretamente ao cidadão e à sua vida cotidiana em sociedade.

Não se pode falar em atender Saúde Mental sem pensar em Geração de Renda, Inclusão pelo Trabalho, Incentivo à Produção Artesanal e Artística, Centros de Convivência e de Lazer, Centros Culturais e outros equipamentos sociais. Tudo isso existe no “locus”, no território, no município de moradia do cidadão, com ou sem a interferência da Prefeitura/Secretaria de Saúde.

Melhor seria que todos esses equipamentos, por iniciativa da Prefeitura, estivessem envolvidos na atenção à Saúde, e particularmente à Saúde Mental, pois já é mais do que comprovado que a melhor forma de tratamento está na vida em sociedade, com a sua família, com os seus vizinhos, com a sua escola, com o seu lazer, com o seu trabalho – enfim, em suas relações pessoais e sociais como cidadão, não apenas como “paciente”.

É inaceitável, hoje, a alegação de “falta de opções de serviços”, “falta de recursos financeiros”, por parte de Prefeituras/Serviços Municipais de Saúde, para justificar a desatenção política à Saúde Mental, não implantar pelo menos um CAPS ou NASF. Mais ainda quando o município dispõe de Equipes de Saúde da Família: em princípio, o modelo ideal de se fazer Saúde!

O entrave é técnico? Burocrático? Político? O que é que está faltando? Não existe demanda de Saúde Mental no município? Pior ainda, até quando a “ambulancioterapia” continuará existindo, num flagrante desrespeito aos direitos básicos da pessoa com sofrimento mental?

O fechamento da unidade do PSF da Vila Granada que atende moradores daquela localidade e do populoso  bairro Monjolinho e a reabertura  como Unidade Básica revela   um desvio de rota  que afeta a toda comunidade.

Com a palavra, o Prefeito, a Chefe do Departamento de Saúde e os senhores conselheiros do Conselho Municipal de Saúde.

Vereadora Déia

Mairinque, 13/8/2009



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Guia São Roque.


Enviar esta notícia por email

Imóveis em São Roque

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

Além de consumir o serviço de Aluguel de louças para festas.

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

Aluguel de louças para festas Moema, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos é significativa.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2021, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.