Segunda-Feira, 6 de Julho de 2020

4/6/2020 - São Roque - SP

Vereador Alexandre Pierroni fala sobre racismo




alexandre

Após a morte de George Floyd por um policial nos Estados Unidos, teve início uma onda de protestos contra o racismo, contra a supremacia branca e a favor de mais empatia em todo o mundo.


O vereador Alexandre Pierroni se debruçou sobre os dados oficias que retratam como o racismo também impacta sobre a população negra, preta e parda no Brasil e, em uma análise superficial com base em pesquisas oficiais sobre violência, trabalho e educação, descobriu que os números no país não são tão diferentes dos números americanos e, assim como lá, demonstram a grande desigualdade social causada por isso.

“Há poucos dias, tivemos o caso do menino João Pedro, que foi morto dentro de casa em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, durante uma ação policial e em circunstâncias ainda não esclarecidas, mas no Brasil as reações foram diferentes”, fala Pierroni.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE e da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio – PNAD, levantados pelo vereador relatam que os negros, pretos e pardos são 55,8% da população brasileira, são 75% das vítimas das forças policiais brasileiras, também somam 75% das vítimas de assassinatos no país, chegando a 98,5 por 100 mil a taxa de homicídios de negros enquanto a de brancos é de 34 por 100 mil.

Alexandre Pierroni fala que as estatísticas brasileiras são reflexo de uma história de 500 anos de subjugamento e menosprezo de pessoas pela cor da pele, que ainda hoje existe e afeta mais da metade da população brasileira. Algo que começou a mudar em 1989, com a publicação da Lei nº 7.716, a Lei do Racismo, que tipificou o racismo como um crime contra a coletividade e não contra uma pessoa específica, realizado por meio da verbalização de uma ofensa ao coletivo, ou atos como recusar acesso a estabelecimentos comerciais ou elevador social de um prédio. É um crime inafiançável e imprescritível, com pena que vai de um a três anos de prisão, além de multa.

"Mas a diferença na cor da pele começa a afetar pessoas desde a mais tenra idade. Prova disso é que em 2017, segundo o IBGE, 50,7% das crianças que morreram com até 5 anos eram negras, 9,1% é a taxa de negros analfabetos no país, assim como 50,3% das crianças matriculadas nas escolas públicas e apenas 55,6% dessa população estudam na faixa etária de 18 a 24 anos”, esclarece.

O parlamentar conta também que a desigualdade está em todos os lugares da sociedade e gera uma falta de perspectiva nessa população, além de ser um enorme fator de distinção, entre outros exemplos, no mercado de trabalho onde, segundo dados da PNAD e do IBGE de 2018, são a maioria entre os desocupados (64,2%) e dos subutilizados (66,1%), motivo pelo qual talvez sejam 47,3% dos trabalhadores informais e 52% dos empreendedores do país, ajudando a construir a inovação, se aventurando no empreendedorismo para garantir sustento para si e suas famílias.

“Valorizar, respeitar e assegurar direitos e liberdades deve estar acima da cor da pele, da etnia, da religião, da opção sexual, valorizar pessoas é dar a elas o direito de serem humanas e serem quem quiserem, terem liberdade para se expressarem, condições, garantias e suporte para atuarem socialmente nos papéis que escolherem. Ao mesmo tempo, também cabe uma revisão da nossa educação e da educação que damos aos nossos filhos para que o respeito, a empatia, o acolhimento, a solidariedade e o humanismo estejam acima da cor da pele e não precisem de leis para serem garantidos”, conclui.

 



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Guia São Roque.


Enviar esta notícia por email

Imóveis em São Roque

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

Além de consumir o serviço de Aluguel de louças para festas.

Quando se pensa na realização de um evento social, seja ele uma festa familiar ou uma recepção empresarial,Aluguel de louças, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos a serem usados é grande. Além de consumir bastante tempo, o custo e a logística de obtenção dos mesmos é significativa.

Aluguel de louças para festas Moema, a preocupação com a aquisição dos pratos, talheres e outros equipamentos é significativa.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2020, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.